Os medos nossos de cada dia

Por Ilana Pinsky 

A pandemia afeta adultos e crianças, e, sentir-se abalado neste momento de incerteza em que vivemos não é só comum, como profundamente humano.

Meu filho mais velho ainda era criança, e foi andar de bicicleta no Parque Villa Lobos, em São Paulo. Era a primeira vez que ele fazia isso sozinho. Ao ficar sem notícias dele, depois de um tempo (que me pareceu interminável), meu cérebro foi invadido pelo medo, ou, dito de outra forma, pelo processo de ansiedade antecipatória.

Senti que tinha que agir imediatamente. Em uma fração de segundos, afastei os pensamentos terríveis que passaram pela minha mente e avaliei as possíveis maneiras de lidar com a situação. Gritar de desespero? Correr sem direção?

Concluí por procurar os vigilantes responsáveis pelo parque (muito eficientes, por sinal), que localizaram o menino em questão de minutos.

O motivo do sumiço, soube então, foi a simples decorrência de um pneu furado.

Eu me lembro disso até hoje por causa da maneira como me senti e me comportei durante a situação: fiquei com taquicardia, foco e raciocínio claro no começo, seguido de alívio ao encontrá-lo bem.

Depois da crise, aí sim, senti-me exaurida, e esse vazio de energia durou um dia inteiro.Certamente eu não suportaria viver assim constantemente. Mas o que aconteceria se eu, diariamente, pensasse que algo muito ruim iria acontecer? Como meu corpo se comportaria se eu frequentemente avaliasse que não tenho formas/habilidade/apoio para lidar com ocorrências negativas?

No livro “Why Zebras don’t get ulcers”, o professor de neuroendocrinologia da Universidade de Stanford, Robert Sapolsky, discute de maneira bem-humorada, mas cientificamente rigorosa, algumas características não adaptativas (exageradas) da expressão do estresse nos seres humanos.

Segundo ele, de maneira geral, os animais apresentam resposta de estresse (o que significa a saída de um balanço homeostático e a liberação pelo cérebro dos elementos químicos necessários para que o corpo aja rapidamente) em situações em que uma resposta imediata é realmente imprescindível (no exemplo dele, quando a zebra está para ser comida por um leão!).

Já nós, humanos, expandimos essa resposta para quando PENSAMOS que algo ruim vai acontecer. Como por exemplo quando achamos que vamos tirar nota ruim na prova, mas não tiramos. Ou quando pensamos que vamos ser despedidos, mas não somos.

Algo semelhante ocorre quando algo negativo realmente acontece, e ACHAMOS que não temos maneira alguma para lidar com isso, como no caso de doenças crônicas na família, pandemia.

 Nossa evolução, nossa inteligência faz que tenhamos propensão a frequentes respostas de estresse quando ela não é necessária.

Acontece que as consequências da inquietação crônica são prejudiciais em muitos níveis, incluindo maiores chances no desenvolvimento de ansiedade e depressão.

Sentir-se abalado no momento de incerteza que estamos vivendo não é só comum, como profundamente humano. E a pandemia afeta adultos e crianças.

Uma paciente conta que seu filho de 7 anos regrediu seu comportamento e voltou a ter enurese noturna (vulgo fazer xixi na cama). Outra relata que a filha de 3 anos desenvolveu alta ansiedade: acorda 3 vezes por noite chorando e fica aterrorizada em ocasiões que a mãe se afasta.

O filho adolescente de um amigo parou de ter interesse em sair de casa e relata dor de barriga quando precisa fazê-lo. Esses sinais agudos de sofrimento, em momentos de calamidade, são comuns em jovens e grande parte não serão traduzidos em sintomas crônicos. Mas, poderão ser amenizados ou ultrapassados em algumas semanas ou meses.

Isso é bom. Mas será que é possível proteger um pouco mais nossas crianças e adolescentes de desenvolver problemas de saúde mental?

Muito além do senso comum, a ciência vem dando respostas para isso. Grande parte dos adultos deprimidos tiveram ansiedade quando era m pequenos e existe uma ligação comprovadíssima entre mães deprimidas e filhos deprimidos.

Filhos de mães deprimidas apresentam com mais frequência não só a depressão, mas também sintomas consistentes como a ansiedade, o medo (frequente, profundo), retraimento social (mais do que uma simples timidez), sintomas somáticos (dores de barriga, de cabeça). Em alguns casos, os sintomas incluem o que chamamos de “problemas externalizantes”, como comportamento agressivo e vandalismo.

Questões genéticas também aumentam o risco no desenvolvimento da depressão, mas, um fator que pode contrabalançar esse risco é um ambiente maternal fecundo. Melhoras na depressão materna têm efeitos extremamente positivos nos sintomas dos filhos, mesmo quando somente as mães são tratadas. Basicamente, a qualidade de nosso comportamento parental se restabelece. Nós, mães, ficamos mais pacientes, mais capazes de ouvir e de falar com nossos filhos. A conexão com nossos filhos melhora e com isso, eles também melhoram.

Ilana Pinsky é psicóloga clínica, com doutorado pela UNIFESP e pós-doutorado pela Robert Wood Johnson Medical School. Foi professora da Universidade de Columbia e é pesquisadora visitante da CUNY (City University of New York).  Contato: pinskyilana@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: